Tipos de obesidade: abdominal e mista, generalizada e indeterminada ou difusa

Perguntas e respostas sobre tipos de obesidade. Como se estima a gordura corporal, quais são seus fatores de risco e os tipos androide, inferior ou ginóide, IMC e outras informações

» Página Inicial

A obesidade é uma doença causada pelo acúmulo de gordura no corpo. Essa gordura geralmente se acumula devido a grande ingestão de calorias e ao pouco gasto calórico. As calorias podem ser gastas com atividades físicas e, as pessoas que não as praticam tornam-se sedentárias e tem a maior probabilidade de se tornarem obesas.

O número de obesos aumenta todos os anos no mundo todo. Isso é um reflexo de maus hábitos alimentares. A cada ano, o consumo de alimentos industrializados aumentam enquanto, o consumo de verduras, legumes e frutas diminui, principalmente entre as crianças.

Essa doença é muito comum nos Estados Unidos a anos devido a cultura dos Fast Food e a facilidade que esse tipo de alimento oferece. Já no Brasil, a obesidade ainda é um problema recente, mas cada vez mais comum.

Obesidade

Obesidade Androide

Ela ocorre com mais frequência em homens. Neste tipo de obesidade, a gordura começa se acumular principalmente no abdômen e na cintura, enquanto o resto do corpo continua fino e desproporcional.

Este tipo de obesidade é mais fácil de ser combatido e controlado pois, os exercícios aeróbicos são utilizados principalmente como fonte de combustível. Pessoas com este tipo de obesidade estão mais propensas a desenvolverem diabetes mellitus tipo II.

Obesidade Ginoide

Esta obesidade afeta mais as mulheres. As mulheres com este tipo de doença possuem o corpo em formato de pera, um reflexo da gordura que se acumula nos quadris, nádegas e pernas.

Esta obesidade está associada a problemas renais, problemas na vesícula, e insuficiência venosa. Esta gordura depois de armazenada é muito difícil de remover.

Apesar de existirem diversos tipos de tratamentos que podem eliminar o excesso de gordura nessas regiões, sempre com acompanhamento médico.

Os tratamentos mais comuns são a reeducação alimentar, prática de exercícios físicos e em casos específicos a cirurgia.

Qual a melhor forma de combater a obesidade?

Não existe a melhor forma de se combater a obesidade. Ela pode ser controlada e até eliminada, mas vai depender de uma série de fatores. Alguns deles são:

  • Eliminar do cardápio açucares e refrigerantes.
  • Diminuir o consumo de farinha branca (estão inclusos em bolos, pães, macarrão, torradas, biscoitos, etc), se preferível, deve ser substituída pela farinha integral que, não é menos calórica porém, possui muito mais fibras e é muito mais rica em vitaminas essenciais para o bom funcionamento do organismo.
  • Reduzir o consumo de alimentos industrializados, principalmente temperos, molhos e sucos.
  • Comer de três em três horas em pequenas quantidades.
  • Comer no mínimo 3 frutas por dia.
  • Beber 2 litros de água por dia.
  • Praticar exercícios físicos é fundamental para a queima de calorias em excesso.
  • Não precisa começar fazendo corridas e treinos pesados. Para quem é sedentário, comece caminhando 40 minutos três vezes na semana. Com o tempo o corpo vai ganhando mais disposição para o aumento das atividades físicas.

Como se estima a gordura corporal?

O IMC é um método simples amplamente usado para estimar a gordura corporal. Ele é calculado dividindo o peso da pessoa pela sua altura ao quadrado: IMC = peso / (altura)2. Então, uma pessoa com 80 kg e 1,70m teria IMC de 80 / (1,7)2 = 27,68.

Mas é preciso ter em mente que somente um médico pode realmente definir se uma pessoa está ou não doente, mesmo possuindo um IMC alto, principalmente pelo aumento de peso poder estar sendo causado por outras doenças.

Quais são os valores do IMC?

Condição IMC em adultos:

  • abaixo do peso abaixo de 18,5
  • no peso normal entre 18,5 e 25
  • acima do peso entre 25 e 30
  • obesidade entre 30 e 40
  • obesidade mórbida acima de 40

Quais são seus fatores de risco?

A presença de fatores de risco e doenças associadas à obesidade também são usadas para estabelecer diagnóstico clínico. Doença arterial coronariana, diabetes tipo 2 e apneia do sono são fatores de risco que podem indicar tratamento clínico para obesidade. Tabagismo, hipertensão, idade e histórico familiar são outros fatores de risco que pode indicar tratamento da obesidade.



 

Veja também



© 2018   |   Alimentação Legal: Conteúdo produzido por nutricionistas   |   Política de Privacidade